Ciclista de Mountain Bike, todo sujo e sorrindo, subindo um morro pedalando uma bicicleta Black Orange.
Ciclista vestindo camisa e capacete Black Orange ao lado de uma montagem de outra camisa Black Orange.
Imagem em zoom de um guidão de uma bicicleta Black Orange

Atividade rítmica no ciclismo, é possível? Descubra agora

Equipamentos para ciclismo: descubra o acessório ideal para ganhar performance

Guia completo: quais são os tipos de guidão e como escolher

Encontrar a combinação ideal entre velocidade e performance é um desafio que a atividade rítmica no ciclismo pode resolver. Vem comigo que eu explico! 

Música, teatro, ginástica, mímica. Quando pensamos em ritmo, normalmente relacionamos à dança e expressões artísticas deste tipo. Mas, apesar de não ser nossa primeira ideia, a prática da atividade rítmica no ciclismo é, sim, real. Afinal, pedalar faz parte deste mesmo universo. Compliquei ainda mais as coisas? Então, se você está com dúvidas sobre como tudo isso se relaciona, continue lendo que vou lhe ajudar a resolver. Bora para o conteúdo!

Atividade rítmica no ciclismo:  vamos pelo começo! 

Presente nas batidas do nosso coração, na velocidade da respiração, em cada passo que damos e, principalmente, nos esportes. Chamamos de ritmo tudo aquilo que flui e se movimenta de forma constante, regulada. Por isso, posso dizer a você que essa marcha natural, sempre fez parte das nossas vidas. Ela guia a frequência do corpo humano e já inspirou descobertas como o relógio, processos de arte e música. 

Mas, indo além do biológico, o ritmo também é essencial para o desenvolvimento dos atletas. Ele faz parte dos golpes dos lutadores, das braçadas do nadador e das pedaladas na bike. No esporte, separamos as atividades rítmicas entre cíclicas e acíclicas, olha só:

  • Atividade rítmica cíclica: essa modalidade é caracterizada pela repetição contínua e prolongada de um determinado gesto. Ao fim de cada ciclo de movimento, todas as partes do corpo do atleta voltam para a posição de início. Isso possibilita a repetição do mesmo movimento durante muito tempo. Alguns exemplos são a corrida, o ciclismo, a caminhada, o remo e a natação. 
  • Atividade rítmica acíclica: quando falamos em atividade rítmica acíclica, nos referimos a esportes que não possuem uma repetição contínua de movimentos. Ou seja, existe uma variação no final em comparação à ação inicial. São habilidades onde a naturalidade é a principal característica. Bons exemplos são o lançamento de peso, ginástica, os esportes em equipe, entre outros. 

Saber as formas como o ritmo é aplicado é essencial no ganho de performance. Nas atividades cíclicas as capacidades trabalhadas no atleta costumam ser velocidade e resistência. Já nas acíclicas temos como mais importantes as capacidades de coordenação, força e velocidade. Mas, seja em nossos organismos, na música, dança ou esporte, o ritmo de fato faz a diferença. Agora que você já sabe disso e conhece as atividades rítmicas, que tal voltarmos para o ciclismo? Vem comigo! 

Como se encaixa uma atividade rítmica no ciclismo?

Mulher ciclista em uma competição com uma bicicleta Black Orange

Se ainda está com dúvidas, então eu esclareço: o ciclismo é uma atividade rítmica cíclica. Isso porque o ciclista executa na bicicleta a repetição contínua de um movimento. A cada pedalada ele realiza um esforço para girar a roda da bike. Independente das variações de peso, estrada, inclinação e velocidade, o objetivo da atividade é sempre o mesmo. Da mesma forma que o movimento que o atleta faz para chegar até lá. 

Na saúde, a atividade rítmica no ciclismo é ótima para o desenvolvimento dos sistemas de energia aeróbico e anaeróbico. Quando uma pessoa anda de bicicleta, ela trabalha diversas partes do corpo como as coxas, glúteos, pernas, a musculatura abdominal e a região lombar. Isso acontece porque para pedalar é necessário flexionar os quadris, onde os músculos abdominais são importantes auxiliares. Um movimento completo e que se repete durante todo o trajeto do ciclista. 

Você que anda de bike, sabe que esse tipo de exercício só possui vantagens. Seja como locomoção, indoor, de forma recreativa ou competitiva, pedalar é altamente indicado pelos médicos. Afinal, desenvolve o sistema cardiovascular, ajuda na queima de gordura, nos ganhos de resistência e na força muscular das pernas. A potência do seu treino irá depender dos seus objetivos. 

Para não esquecermos como é importante pedalar, fiz uma lista com 5 itens que a atividade rítmica no ciclismo agrega. Confira abaixo

1. Acelera o metabolismo

Sendo o ciclismo um exercício aeróbico, ele auxilia quem pedala com a perda de calorias. Desse jeito, ele acaba acelerando o seu metabolismo. 

2. Evita lesões

Se você já teve problemas com articulações ou conhece alguém que tenha, a bicicleta é o exercício ideal. Nesse esporte quem recebe o impacto é a bike e, assim, o ciclista não fica lesionado.

3. Fortalece a musculatura 

Andar de bike exige que os músculos inferiores e abdominais do atleta trabalhem juntos. Quanto maior o peso, a velocidade e distância, maior será a força exercida na musculatura. 

4. Melhora funções cardiovasculares

Responsável por abastecer nossas células com oxigênio e nutrientes, o sistema cardiovascular precisa ser prioridade nos cuidados com a saúde. Investir em uma atividade rítmica no ciclismo melhora a circulação sanguínea dos membros inferiores e, ainda, reduz o colesterol ruim. 

5. Diminui o estresse

Como atividade física, o ciclismo também pode ajudar o seu corpo a relaxar. Durante o exercício são liberadas endorfinas – hormônios que promovem o bem-estar e ajudam a aliviar os sintomas do estresse. 

Atividade rítmica no ciclismo e a cadência 

Guidão de bicicleta com acessórios de cadência e GPS

Já que tudo possui um ritmo, com a bicicleta não é diferente. Você já prestou atenção na forma como você pedala? A responsável pela sua rotação no pedal se chama cadência. Considerada um dos fatores mais importantes no ciclismo, ela interfere na técnica da pedalada e no desempenho dos atletas. Além disso, é uma medida de intensidade nos treinos de bike.

Definimos como cadência a velocidade de giro dos pedais em um período de tempo. Ou seja, a quantidade de rotações por minuto (RPM) executada em uma atividade rítmica no ciclismo. Indispensável  para a performance, ela está ligada ao seu desempenho individual de pedalada. Por exemplo, imagine fazer em 80 RPM, um percurso que você costuma realizar a 60 RPM. Ao final do trajeto você ganhou tempo, velocidade, força e, talvez, o campeonato. 

Apesar da associação de que quanto mais rápido melhor o ciclista, existem muitas outras coisas que influenciam nos resultados. Por isso, não é certo dizer que em uma atividade rítmica no ciclismo há uma cadência ideal. O que temos é apenas o que é considerado iniciante e o que é mais veloz, olha só:

  • 50-70 RPM: muito lento
  • 70-80 RPM: lento
  • 80-90 RPM: moderado
  • 90-100 RPM: rápido
  • 100-110 RPM: muito rápido
  • acima de 110 RPM: extremamente rápido

Atletas iniciantes costumam fazer 60 RPM, enquanto os de alto nível ficam acima disso. Mas, se você está começando, isso não significa que não possa melhorar, ok? Com muito treino, técnica e tempo, você irá chegar na sua cadência de conforto. Vou explicar mais sobre isso logo abaixo. 

Cadência de conforto: o que é? 

Em uma atividade rítmica no ciclismo não existe algo que defina um ritmo de giro como o ideal. Como diversos fatores influenciam no desempenho do ciclista na bike, o termo adotado pela ciência é a cadência de conforto. Essa, varia de atleta para atleta, conforme a sua situação. Veja abaixo 4 formas de como ela se aplica. 

1. Cadência X nível de preparo 

Como falamos anteriormente, é totalmente normal que ciclistas iniciantes rodem em ritmos mais lentos do que atletas bem condicionados. Um estudo feito por Marsh e Martin, em 1996, mostrou que de fato o nível de preparo faz diferença. Eles testaram corredores, ciclistas e indivíduos menos treinados com variadas cargas e cadências. A conclusão foi que, independente da situação, os indivíduos com boa aptidão cardiorrespiratória preferiam uma cadência entre 90-100 RPM. Já os amadores pedalaram em torno de 65 RPM, pois tinham menor preparo. 

Um exemplo dessa situação na prática acontece quando vemos atletas enfrentando provas que ciclistas comuns sustentariam por poucos minutos. Eles possuem alto rendimento, desempenho, técnica e preparo. Por isso, estão totalmente aptos a esse tipo de atividade rítmica no ciclismo. Mas não significa que você também não possa estar. Para elevar o seu nível em condicionamento, invista em muito treino e informação. 

2. Cadência x força

Quando o assunto é força, o ritmo também sofre alterações. Em 2007, Bieuzen investigou a capacidade de força dos ciclistas e a sua seleção de cadências preferidas. O resultado surpreendeu. O estudo mostrou que atletas mais fortes tinham a tendência de escolher cadências menores. Ou seja, preferiam pedalar com marchas mais pesadas e aproveitar de forma eficiente a força de suas pernas.

3. Cadência X modalidade

Além de força e preparo, algumas cadências mudam conforme a bike e a modalidade da atividade rítmica no ciclismo. Vou lhe dar um exemplo: um atleta de pista possui um comportamento de cadência diferente de um ciclista de estrada. Assim como os de MTB não são iguais aos de BMX e assim por diante. Isso acontece porque cada nicho exige capacidades específicas de seus praticantes. 

4. Cadência X altimetria e terreno 

Relacionada à inclinação do terreno, a altimetria também é um ponto a se analisar na cadência. Terrenos íngremes, com muitas subidas e descidas irão exigir que você alterne seu ritmo ao longo do caminho. Sempre que estiver cronometrando e aparecerem situações desse tipo, lembre-se que o treino de cadência é de regularidade. Ou seja, é necessário manter o ritmo na maior parte do tempo.

Como melhorar a cadência na atividade rítmica no ciclismo? 

Se você quer elevar o seu nível no pedal, treinar cadência é uma ótima opção. Isso vai melhorar a sua técnica e tornar a sua pedalada mais regular. Mas, antes de começar, você deve encontrar o seu ritmo ideal de pedalada. Lembre-se que este tipo de treino é de regularidade e, para manter a frequência do giro você precisa estar confortável. Fiz um check-list rápido de dicas que irão ajudar em seus treinos de cadência. Vem ver! 

  • Invista em um sensor de cadência: variações ao longo do treino como diferenças do início para o final, normalmente quando já estamos cansados, devem ser analisadas. Para treinar e entender qual é a sua cadência você vai precisar instalar um sensor de cadência na sua bike. Esse tipo de  equipamento é fácil de encontrar. Muitas vezes é vendido separadamente, mas os dados são transmitidos apenas para ciclocomputadores das próprias marcas como Garmin e Polar. 
  • Mantenha o ritmo: para conseguir treinar em cadência você deve tentar manter o seu ritmo pelo maior tempo possível. A grande dica aqui é utilizar a troca de marchas como estratégia, olha esse exemplo. Ao encarar uma subida ou se estiver cansado ao longo do pedal, deixe a marcha mais leve. Isso vai ajudá-lo a manter a cadência, trabalhar a constância e a regularidade do seu giro.
  • Aumente gradativamente: depois de entender qual é a sua cadência de conforto nesta atividade rítmica no ciclismo, não saia correndo para melhorá-la. Se você for logo aumentando, pode não conseguir manter o mesmo ritmo até o final do percurso. A chave para o sucesso aqui é fazer o aumento de forma gradativa. Comece com uma diferença pequena por um pouco mais de tempo. Ou, faça estímulos curtos com cadências elevadas. Mas sempre, principalmente, preze pelo seu conforto. 

Atividade rítmica no ciclismo: pronto para começar? 

Encontrar o ritmo ideal em uma pedalada, aliando conforto com performance é um desafio. Entretanto, conhecer suas capacidades e como melhorá-las irá ajudar você a encontrar a sua cadência perfeita. Se você deseja fazer uma atividade rítmica no ciclismo desse tipo, procure um profissional para guiá-lo pelo melhor caminho. Com o equipamento certo, a bicicleta ideal e um treinamento dedicado, seu giro entrará em um novo nível de performance. 

2 comentários
  1. Amigo, vc realmente tá de parabéns. Não é qualquer um ou sobre qualquer assunto que alguém se debruça para escrever e, principalmente, prestar informações a outras pessoas. Gosto de padelar, mas faz mas de 20 anos que não pedalo com frequência. Recentemente estabeleci um desafio e ao mesmo tempo uma proposta para impulsionar meu site (www.rotaserumos.com.br): vou pedalar 1000km. Claro, diante da minha idade (55anos) e do tempo que estou praticamente parado, estou fazendo percursos sempre acima de 30 km quase que diariamente. Uso para isso uma bike de aço, antiga e inadequada, mas é o que tenho. Não pretendo viajar com ela, claro. Estou buscando apoio na base da troca por propaganda no site. Porém , tá difícil, mas não vou desistir. Além dos treinos faço condicionamento em academia. Preciso realmente me preparar se quero conseguir essa facanha. Rsss Adorei seu material e vou ler tudinho algumas vezes antes de cair na estrada. Vc é um vencedor e solidário. O mundo precisa de gente como você. Parabéns e sucesso sempre.

    1. Opa, que legal o seu relato, Gilmar. Ficamos muito felizes em poder te ajudar nessa sua jornada. Continue nos acompanhando por aqui que ainda vamos abordar muitos temas relevantes para os ciclistas. Valeu, fera!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens relacionadas